O

poder do networking na sua vida profissional

maio 06, 2019 | Shaíze Roth
O poder do networking na sua vida profissional
Há uma ideia que diz que tudo o que vamos levar dessa existência são os laços que construímos. Isso está presente em diferentes lugares da nossa cultura: em livros, seminários sobre empatia, músicas, filmes, entre outros. Mas será que realmente estamos dando o valor necessário para as nossas conexões?

Pense sobre isso: qual foi a última vez que você puxou conversa ou se aproximou da pessoa menos interessante de uma sala? Ou daquele colega com uma personalidade diferente da sua? Talvez isso tenha acontecido poucas ou nenhuma vez durante a sua vida, certo?

E isso não é culpa sua. Fomos criados e ensinados a nos relacionarmos com pessoas parecidas conosco, com os mesmos gostos e opiniões. É devido a essa incapacidade de construir conexões com pessoas diferentes que temos uma polarização grande em vários níveis da sociedade, como a política e o futebol, por exemplo. Mas, como realizar um networking realmente significativo na sua vida profissional? E por que fazer isso?
 
O poder das conexões
O networking, conceito tão presente nos escritórios e eventos de hoje em dia, é uma ferramenta importante e poderosa para expandir nossos mundos sociais e as conexões dentro deles. Na área profissional, conhecer pessoas diferentes de você e com vivências e conhecimentos novos pode ser tão transformador quanto ler livros ou assistir aulas. Não que esse tipo de conhecimento seja dispensável, mas o networking nos leva a lugares diferentes, fora da nossa zona de conforto. E, exatamente por isso, ele é tão importante.
 
A importância do networking na vida profissional
Todos nos restringimos socialmente. Seja em nossa vida pessoal, na escola ou no trabalho. Todos os dias, convivemos com pessoas iguais a nós, nos aproximamos delas e formamos uma espécie de micro-organismo em cada um dos nossos espaços. Mas, quando precisamos de novas ideias, novos recursos ou mesmo novos caminhos, a falta de diversidade é o preço que pagamos por estarmos constantemente inseridos em um grupo.
Nos anos 1970, o sociólogo Mark Granovetter escreveu um artigo chamado “A força dos laços fracos”. Nele, o autor considerava como geralmente não conseguimos novas oportunidades e vagas de emprego a partir de nossos laços fortes, como famílias e cônjuges, mas sim por meio de laços considerados “fracos”, ou seja, pessoas que mal conhecemos ou acabamos de conhecer. Podemos estar falando do primo do seu amigo, do vendedor de uma loja de cosméticos que você frequenta ou até mesmo do motorista do seu táxi. Qualquer uma dessas pessoas tem, em mãos, o poder de trazer novas oportunidades e perspectivas para a sua vida.
O networking profissional nem sempre diz respeito a esses espaços, mas segue a mesma premissa. Mesmo em um grande evento promovido em seu meio profissional, é comum você se aproximar apenas daqueles que parecem semelhantes a você. Mas, se temos essa incrível passagem para novos mundos sociais, chamada networking, por que nós não a usamos? Decidimos se pessoas são relevantes ou não para nós de forma automática, sem nos darmos conta das possibilidades que o outro carrega. Talvez o networking seja menos sobre “Convide alguém para tomar um cafezinho” e mais sobre “Apenas vá até a cafeteria”. Assim, mundos novos de possibilidades profissionais podem surgir de uma troca inesperada e da “ineficiência” do nosso senso de escolha, tão acostumado a filtrar pessoas por um padrão que nada mais é do que um espelho de nós mesmos. Então, que tal experimentar algo diferente?
Mas como criar conexões importantes?
A resposta é: saia da sua zona de conforto. Converse com pessoas que não tem nenhuma afinidade profissional com você; vá a eventos que não são exatamente da sua área; troque mais do que cartões de visita e cafezinhos, se conecte de verdade com aquele que está ao seu lado. Vire sua mente 360 graus e descubra o poder do networking e da conexão. Dificilmente você vai se arrepender!
 
Quer receber mais conteúdos como esse? Assine nossa newsletter e fique por dentro. Vem com a gente!